Início Artigos Medo dos outros, por Eliana Jacob

Medo dos outros, por Eliana Jacob

Em uma bela crônica chamada “O que os outros vão pensar?”, Martha Medeiros declara que, quando criança, ela não tinha medo de bicho-papão, mula-sem-cabeça ou de bruxa malvada. Quem a amedrontava era outro tipo de monstro. Eles atacavam em bando; chamavam-se “Os Outros”.

Conta a cronista que sua mãe a educou sob o olhar severo dos “Outros”; em várias situações, eles apareciam: “Você vai sair com a calça furada?…O que os outros vão pensar?” “Não vai dormir na casa do namorado, não! Não quero seu nome na boca dos outros!” E por aí vai!

Acredito que comigo não foi diferente, acho que com a maioria das pessoas foi assim. Somos educados e educamos pensando no julgamento alheio, principalmente porque a família é uma referência narcísica; quando os filhos se saem bem, de alguma forma, dividimos o mérito – afinal, fizemos bem nossa tarefa!

Mas,  quem são “os outros”, tão importantes em nossa vida? Aqueles que nos vêm à mente quando escolhemos uma roupa para sair, um sapato… aqueles de quem nos lembramos quando sufocamos um palavrão em público, dos quais escondemos nossos defeitos e para os quais jamais, (jamais!) confessamos uma fraqueza?

Ficamos tentando identificar imagens, procuramos rostos conhecidos e  nada! Na verdade, esses “outros” compõem um olhar social, abstrato, não têm uma identidade. A despeito disso, esse monstro nos persegue, nos ameaça e nos fragiliza. É pensando nele que fazemos dieta, cuidamos das unhas, do cabelo, passamos perfume e nos comportamos adequadamente. É para o outro que fazemos a foto em frente ao espelho ou em uma bela paisagem; é para mostrar para os outros. Às vezes, trata-se de um desconhecido perigoso: “Não caia na conversa dos outros”; “Não beba nada oferecido pelos outros”; “Não entre no carro dos outros”.

É claro que, vivendo em sociedade, é de extrema importância pensar nos “outros”. Nisso nossas mães acertaram: “Não coma toda a ‘mistura’; pense nos outros”; “Não seja egoísta: empreste…, divida.., compareça às festas e ao velório dos outros”. “Olha o trânsito; respeite a vaga dos outros”; “Não cole dos outros”; “Não ponha a culpa nos outros”; “Não deboche dos outros”, “Cuide bem das coisas dos outros”; “Não fale mal dos outros”.

Não tem jeito, os outros nos assustam, mas também nos orientam a viver melhor em sociedade. Não há como omiti-los. Neste momento estou aqui, quebrando a cabeça para escrever este texto, porque sei que amanhã essa crônica vai ser lida pelos “outros”.

Meu Deus!… Será que os outros vão gostar?

 

Eliana Jacob

* Eliana Jacob Almeida é professora e escritora. Apaixonada por Literatura, acredita na palavra como instrumento para mudar o mundo.

 

COMPARTILHE