Início Geral Transexuais devem alistar-se Forças Armadas

Transexuais devem alistar-se Forças Armadas

Os homens transexuais (mulheres que fizeram transição para o gênero masculino), com menos de 45 anos, devem alistar-se nas Forças Armadas assim que obtiverem o novo registro civil, refletindo a mudança de sexo e nome, segundo o Ministério da Defesa.

Já as mulheres trans (homens que mudaram para o gênero feminino), que alteraram seus documentos antes dos 18 anos, deixam de ter a obrigação de se apresentar para o serviço militar obrigatório.

-- continua depois da publicidade --

O órgão enviou ofício à pasta questionando a situação, uma vez que não há lei sobre o tema.    Em resposta à Defensoria, o ministério informou que os homens trans devem alistar-se em uma das Forças.

Avisou também que podem ser convocados a prestar serviço militar obrigatório ou fazer parte do cadastro da reserva para eventual convocação se necessário.

No caso de homens que nasceram mulheres e buscam ser reconhecidos como homens, a mudança de documentos não resolve todos os problemas. É que os homens precisam do Certificado de Reservista para fazer concurso público, tirar passaporte, título de eleitor, entre outras coisas.

Para ter certificado de reservista, os homens trans (como os demais) devem comparecer à Junta de Serviço Militar mais perto de casa. Já a mulher trans não precisa se apresentar se a alteração dos documentos tiver sido feita antes dos 18 anos.

Se a mudança for após o serviço militar obrigatório, o certificado deixa de ter utilidade a ela.    O serviço militar obrigatório é composto de três etapas: o alistamento a seleção e a incorporação ao serviço militar.

JUSTIÇA E PRECONCEITO

A Justiça Federal condenou o Exército Brasileiro a pagar R$ 60 mil de indenização para a estudante Marianna Lively, de 19 anos.

Mulher transexual, a jovem sofreu perseguição com ligações e até visitas estranhas em sua casa, após passar pelo Serviço de Alistamento Militar obrigatório, em Osasco, em 2015.
Pela primeira vez, o Exército veio a público falar sobre homofobia e discriminação. De lá pra cá as discussões prosseguiram, assim como casos de inclusão de transexuais em várias frentes, como o esporte.
COMPARTILHE