Início Zona Oeste A primeira onda das Reformas do Trabalho já atingiu Fernandópolis

A primeira onda das Reformas do Trabalho já atingiu Fernandópolis

Embora venham negando veementemente que a Reforma Trabalhista e a iminencia da Terceirização influencia diretamente na carreira de quem está a mais de 10 anos trabalhando no ambiente bancário, o mercado já dá sinais de que os trabalhadores desse setor também penarão daqui para frente.

E não precisamos sair daqui de Fernandópolis ou na região para perceber que a debandada será geral.

-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --

O fechamento de uma das agências do Bradesco segue a mesma tendência de outra duas outras agências que possuíam duas unidades e agora seguem com apenas uma dificultando a vida de muitos correntistas.

Com as instituições financeiras no topo do ranking das maiores devedoras do município, a coisa aparece que vai ficar ainda mais feia para o setor.

FECHANDO PORTAS

O Bradesco segue o mesmo exemplo das agências do Santander e do Itaú que fecharam uma de suas duas unidades; o que acabou limitando bastante atendimento.

Uma das provas é o banco Itaú que possui a carteira de pagamento dos funcionários públicos municipais. As reclamações e multas pela falta de pessoal durante a época de pagamento é notório pela tamanho da fila que se forma defronte ao estabelecimento mensalmente.

O Santander foi o primeiro a fechar as portas numa tendência de mandar embora funcionários com mais de 10 anos de carreira a fim de economizar frente a possibilidade da aprovação da Lei de Terceirização.

SERÁ QUE DURA?

Na cidade hoje resta apenas o Banco do Brasil com duas agências abertas no centro da cidade. O BB possui a carteira de pagamento dos funcionários estaduais e também já apresenta a superlotação em suas duas unidades operantes na época de pagamento.

Agência também é uma que das que mais encaram problemas no abastecimento dos caixas eletrônicos,  já que o órgão responsável por esse serviço foi desligado em Fernandópolis, deixando a gerencia para a cidade de Votuporanga

A grande pergunta feita pelos correntistas é: “Até quando o Banco do Brasil continuará com ambas as agências dentro desse cenário de demissões que já estão por vir? Já que para os bancos fica mais baratos reduzir funcionários, fechar agências e pagar multas do que encarar uma série de processos trabalhistas?”

A LEI VEM AÍ

E se você não é correntista nem bancário ainda deve se preocupar já que Fernandópolis apresentou um saldo negativo de 521 de missões e esses números devem aumentar após novembro com a Lei Trabalhista entrando em vigor no mês de novembro.

COMPARTILHE