Início + Lidas Comanda Perdida ?10% do Garçom? Consumação Minima? Seus Direitos na Balada…

Comanda Perdida ?10% do Garçom? Consumação Minima? Seus Direitos na Balada…

Todos já devem conhecer a prática comercial, pois trata-se de expediente corriqueiro: se você, estando em uma ‘balada’ perder a tal da ‘comanda’ (documento onde os comerciantes anotam a consumação do cliente), terá de pagar uma quantia ‘X’ (pré-estipulada), independentemente de ter ou não consumido qualquer coisa.
Porque os comerciantes fazem isso? Para se protegerem de fraudes; o que eles querem evitar é que alguém consuma muito e depois alegue ter perdido a comanda
para desvencilhar-se da obrigação de pagamento.

Essa prática é lícita? Não, não é: se, por um lado constitui crime consumir refeições sem quitar o valor (artigo 176 do Código Penal), não pode o comerciante, sob a desculpa de evitar ser vítima de fraudes, já, de antemão, violar o princípio da inocência, considerando toda e qualquer pessoa que informe ter perdido a comanda, culpada. Exigir o pagamento de um valor fixo pelo perdimento da comanda constitui prática comercial abusiva.1441990381833-jpg

-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --

Nem pode o comerciante, vincular a liberação do estabelecimento ao pagamento de um valor pré-estipulado, pois isso constitui o exercício arbitrário das próprias razões (artigo 345 do Código Penal) e ainda pode configurar o crime de cárcere privado (artigo 148 do Código Penal).

DIREITOS

“Art. 148 – Privar alguém de sua liberdade, mediante seqüestro ou cárcere privado: Pena – reclusão, de um a três anos”

“Art. 176 – Tomar refeição em restaurante, alojar-se em hotel ou utilizar-se de meio de transporte sem dispor de recursos para efetuar o pagamento: Pena – detenção, de quinze dias a dois meses, ou multa. Parágrafo único – Somente se procede mediante representação, e o juiz pode, conforme as circunstâncias, deixar de aplicar a pena”

“Art. 345 – Fazer justiça pelas próprias mãos, para satisfazer pretensão, embora legítima, salvo quando a lei o permite: Pena – detenção, de quinze dias a um mês, ou multa, além da pena correspondente à violência”

PERDEU A COMANDA, PERAI…

12088390_964360286985882_3158863870200504144_n
Regras devem ser cumpridas até na balada

Desde já, vale esclarecer: não existe lei que obrigue quem perdeu a comanda a pagar uma quantia a título de multa ou taxa. Isso é pura extorsão. A cobrança de multa sobre a perda de comanda é um abuso e é considerada ilegal pelo Código de Defesa do Consumidor.

É obrigação do prestador de serviços vender fichas no caixa ou ter um sistema eletrônico de controle sobre as vendas de bebidas e comidas dentro de seu próprio recinto. Se a casa não tem um controle sobre o que foi vendido, não pode explorar o cliente pois, em direito do consumidor, o ônus da prova é sempre do comerciante ou prestador de serviços.

A REALIDADE é MAIS DURA

Porém, a realidade do mercado revela verdadeiros atentados contra os direitos dos jovens consumidores que saem à noite para se divertir. Ao exigir a cobrança desta espécie de taxa, os responsáveis pelo estabelecimento invariavelmente acabam cometendo crimes contra a liberdade individual do cidadão. Levam a pessoa para “quartinhos” ou salas separadas e passam a intimidá-la através de seguranças brutamontes.

Insistir nessa prática extorsiva é considerado Constrangimento ilegal (Art. 146 do Código Penal), pois constranger alguém mediante violência ou grave ameaça a fazer o que a lei não manda (no caso, a pagar uma multa extorsiva) é crime, podendo o gerente e o dono do estabelecimento serem presos e condenados à pena de detenção, que varia de 3 meses a 1 ano.

Em alguns casos, a coisa fica até mais grave pois a cliente inocente que perdeu a comanda é impedida por seguranças de deixar a casa se não pagar a tal taxa abusiva. Isso é um absurdo e é considerado crime de Seqüestro e Cárcere privado, (Art. 148 do Código Penal), que prevê pena de prisão de 1 a 3 anos ao infrator

ALÉM DISSO

Taxa de 10% do garçom não é obrigatória

Muitos estabelecimentos já incluem os 10% do referentes à bonificação do garçom na conta, mas o pagamento deles é opcional. Ou seja, se você for mal atendido, não precisa pagar pelo serviço.

Consumação mínima é uma prática abusiva

O Código de Defesa do Consumidor considera a estipulação de uma consumação mínima como venda casada, pois condiciona a entrada do consumidor ao estabelecimento ao pagamento de um valor mínimo em produtos do bar ou restaurante. A venda casada está prevista no inciso I do Artigo 39.

Ou seja, caro leitor: se isso acontecer contigo; CHAME A POLÍCIA, é essa a medida correta a ser tomada.

 

Fonte: JUSBrasil

 

COMPARTILHE