Início Zona Sul OPERAÇÃO Q.I. – Justiça decreta condenação das duas fernandopolenses que fraudavam concursos...

OPERAÇÃO Q.I. – Justiça decreta condenação das duas fernandopolenses que fraudavam concursos públicos

A Operação QI, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) e Polícia Civil de Ribeirão Preto, em 16 de junho de 2015, já comprovou fraudes tanto em licitações para processos seletivos quanto em concursos públicos em diversas cidades paulistas.

Entre os réus deste processo, 06 pessoas são mantidas presas em Penitenciárias de São Paulo desde junho de 2015: figuram neste rol a psicóloga e empresária fernandopolense, Marta Colassiol, e sua sócia, Mônica Bertão, também de Fernandópolis, que operavam as empresas Persona Capacitação e “Mérito, Gestão e Concursos”; a ex-vereadora da cidade de Pradópolis/SP, Marlene Aparecida Galiaso, conhecida como “Marlene da Prefeitura”, e seu filho, Rafael Galiaso de Almeida; o advogado Fernando Pereira Bromonschenkel e Fernando Simão. O empresário Victor Toyoji Nozaki, que possui, entre outras, a empresa Oregon.

-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --

Nesta semana, Colassial e Bertão, ambas de Fernandópolis tiveram suas condenações decretadas.

Marta pegou 8 anos de prisão e Bertão, 9 anos. Segundo a defesa de Colassiol, o juiz do caso reconheceu na sentença que elas já cumpriram 1/6 da pena e podem progredir para o sistema semi aberto, seguindo até o mês de dezembro ou janeiro, onde podem continuar respondendo em liberdade (sistema aberto).

DAS FRAUDES

Segundo a Justiça, os gabaritos de concursos e processos seletivos eram adulterados após a realização das provas, para que pessoas indicadas pelas Prefeituras, Câmaras ou pelos próprios “cabeças” do esquema criminoso, fossem favorecidas. O grupo tinha duas formas de agir.

Uma, em que as Prefeituras não tinham esse contato para pedir aprovação de determinados candidatos, e o próprio grupo vendia as vagas. E outra, em que as Prefeituras e Câmaras queriam aprovação de determinados candidatos, então o grupo atendia às solicitações. Ainda de acordo com o delegado, integrantes da quadrilha também prestavam as provas já sabendo as respostas, com o intuito de obter boa pontuação e figurar entre as primeiras colocações no resultado final.

Sobre adulteração de concurso públicos e processos seletivos, a Polícia Civil encontrou indícios em 24 municípios, 5 deles da região

Em alguns casos, ao serem convocados, os falsos candidatos – com melhor pontuação nos concursos e processos seletivos – desistiam de suas vagas. Foram encontrados envelopes contendo gabaritos em branco em seu interior, mas assinados no verso por determinados candidatos, “e com uma caneta dentro desses envelopes, o que corroborou com tudo o que a gente tinha identificado antes, que era a sistemática adotada”. Diz os autos

DESTRUINDO PROVAS

O grupo destruía as provas para que as fraudes não fossem descobertas. Os materiais eram queimados ou fragmentos após a realização dos concursos. Os responsáveis pelas fraudes recebiam cerca de R$ 3 mil por processo seletivo adulterado e R$ 5 mil no caso de concursos. Quando o esquema envolvia cargos de alto escalão, como procurador jurídico, o que supostamente ocorreu em Jaboticabal/SP, o valor chegava a R$ 35 mil.

GRANA PARA GABARITAR

Cada interessado desembolsava de R$ 3 mil a R$ 35 mil para conseguir uma vaga no setor público. Os suspeitos devem responder criminalmente por fraude em concursos e à Lei de Licitação, falsidade ideológica (falsificação de documentos públicos e privados), organização criminosa, corrupção ativa e passiva e crime contra a administração pública.

DELAÇÃO PREMIADA

Após a confirmação das “delações premiadas”, as investigações confirmaram o envolvimento de Colassiol e Bertão diretamente no esquema.

INDENIZAÇÕES 

Os bens dos envolvidos, carros, demais veículos, imóveis e aplicações bancárias estão bloqueados, pois haverá, além das penas e multas, determinações de devolução de recursos ao erário público e indenizações. Se soltos, os envolvidos “terão dor de cabeça para o resto da vida”, afirmam profissionais do Direito. “Da mesma forma que prejudicaram milhares de pessoas, terão que pagar pelos crimes cometidos”.

 

COMPARTILHE