Início Zona Norte LEGISLANDO: Porque não questionar a Santa Casa?; Pulverização; Incubando novos empreendimento

LEGISLANDO: Porque não questionar a Santa Casa?; Pulverização; Incubando novos empreendimento

A noite na Câmara de Fernandópolis garantiu a liberação e a confirmação de verbas para vários setores de Fernandópolis, desde o Planejamento até obras de desafetação publica e recuperação da malha asfáltica de bairros periféricos.

A sessão ainda aprovou o uso da Tribuna Livre pelo advogado e ex candidato a prefeitura de Fernandópolis, Ricardo Franco de Almeida na primeira sessão do mês de abril.

-- continua depois da publicidade --

 

O 4Cantos destacou ainda as principais discussões da noite.

 BRECHA MÉDICA

A Vereadora Neide Nunes Borges Garcia Gomes, requerendo do Prefeito Municipal, informações objetivando esclarecer quais providências foram tomadas com relação à contratação de mais médicos para prestarem serviços nas unidades de saúde do município, para substituírem os médicos titulares em suas férias, folgas e licenças. A ideia é saber quantas brechas são deixadas por esses profissionais durante o período de licenças, não deixando a população sem atendimento.

E PORQUE NÃO QUESTIONAR a SANTA CASA?

O Vereador Murilo Martins Jacob Filho, pede informações novamente, relatório discriminando os valores, e suas respectivas datas, de recursos repassados à Santa Casa de Misericórdia de Fernandópolis pelo Município, desde 1º de janeiro de 2013 até a presente data, a título de subvenções, auxílios ou contribuições. Segundo Jacob esses questionamentos, – sem resposta a mais de um mês – tratam-se de recursos públicos e que devem ter o devido acompanhamento pela vereança, já que após a mudança de estatuto, a Santa Casa hoje opera em regime “semi privado”. O questionamento do vereador causou alvoroço entre alguns vereadores, já que os questionamentos sobre a Santa Casa chegam aos montes, toda semana na Câmara e que o fato deveria ser questionado via Ministério Público. Jacob adiantou que tudo questionamento serve como prova documental, uma espécie de compromisso para o cumprimento das ações, ainda mais se tratando de dinheiro público envolvido. Alguns vereadores foram contrários aos pedidos de informações por escrito exigidos por Jacob.

MAIS SANTA CASA

Já Vereadora Maiza Rio, também quer saber da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Fernandópolis, quais quantidades de cotas para consultas médicas e exames laboratoriais estão disponíveis aos conveniados do Instituto de Assistência Médica do Servidor Público Estadual (Iamspe) atualmente e qual eram as quantidades disponíveis. Já que atualmente tais cotas já teriam terminado e o atendimento ao convenio estaria limitado apenas as urgências e emergências. Segundo Maiza, tais cotas teriam sido “gastas” com moradores de cidades da região e não de Fernandópolis. Maiza prometeu estender a cobrança ao Governo do Estado que recentemente esteve em Fernandópolis após mais de 3 meses após suspensão total do convenio.

INCUBANDO NOVAS IDEIAS

De autoria do Vereador João Pedro da Silva Siqueira, quer informações sobre a estrutura e funcionamento da Incubadora Empresarial de Fernandópolis, objetivando esclarecer de que forma é desenvolvida a administração do mencionado empreendimento. O recente fechamento de algumas empresas na cidade suscitou o questionamento já que a incubadora tem com o objetivo de capacitar micro e pequenos empresários para o desenvolvimento sustentável de seus negócios. A entidade não dá nenhum incentivo financeiro direto aos incubados. Atua, no entanto, como uma intermediária, conectando os empreendedores a contatos que podem ser úteis para o crescimento das empresas e a investidores.

PULVERIZAÇÃO

O Vereador Salvador Castro de Souza, quer saber quando serão realizados os serviços de pulverização de inseticida pela Superintendência de Controle de Endemias – Sucen – nas vias públicas do município, informando, ainda, de quem é a responsabilidade pela dedetização do sistema de galerias de captação de águas pluviais no município e quando esse serviço será realizado. Salvador ainda quer que a pulverização aconteça em solo e aérea também.

 

 

 

COMPARTILHE