Início Zona Sul Em juri simulado, alunos da Universidade Brasil refazem julgamento de assassinato em...

Em juri simulado, alunos da Universidade Brasil refazem julgamento de assassinato em Fernandópolis

O conhecimento, o procedimento, a dialética e toda a emoção de um júri popular foram transmitidas nessa semana pelos alunos do oitavo semestre do curso de Direito da Universidade Brasil em Fernandópolis.

No júri simulado, alunos fizeram os papéis que lhes caberão futuramente e numa interpretação digna de dramaturgia e expressão advocatícia, relembraram um dos casos que movimentaram a sociedade e a Justiça Fernandópolis: um assassinato acontecido em 2011.

-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --

Nele uma mulher acabou condenada por esfaquear seu amásio durante uma discussão em um bar da cidade. Na bancada professores autoridades puderam ver a desenvoltura dos alunos, tanto na dramaturgia quanto nos argumentos e procedimentos processuais.

Na sentença a ré foi condenada há 12 anos em regime fechado pela promotoria. Claro, tudo isso virtualmente mas apresentando toda a competência absorvida durante os meses de curso.

A equipe do 4Cantos conversou com a coordenadora do curso de Direito da Universidade Brasil Janaína Guimarães Mansilha sobre a atuação dos alunos e a importância desse tipo de simulação como preparação acadêmica:

O CASO

Em 2011, uma mulher foi condenada após esfaquear seu amásio durante uma discussão no bar do casal. Segundo informações dos autos, após desconfiar de supostos atos de traição a mulher havia contratado um detetive para seguir o amasio. No dia dos fatos ela foi alertada de que ele estaria no estabelecimento acompanhado. Chegando ao local, a mulher teria flagrado o homem conversando com uma mulher e uma discussão teve inicio. Durante o entrevero, ela sacou de uma faca de açougue e desferiu golpes no peito do amasio, sem qualquer chance de defesa. Na sequencia lavou o objeto e acabou detida horas depois. O homem foi a óbito e a mulher condenada. O caso aconteceu na periferia de Fernandópolis. Todos os nomes foram preservados pela bancada acadêmica.

COMPARTILHE