Início Geral Entenda como funciona o ”Distritão”, aprovado pelo deputados para as eleições

Entenda como funciona o ”Distritão”, aprovado pelo deputados para as eleições

A Comissão da Câmara que analisa a reforma política aprovou uma emenda que estabelece o chamado “distritão”para a escolha de deputados federais, deputados estaduais e vereadores. A comissão ainda não terminou de analisar essa proposta, que passará também pelo plenário da Câmara (votação em dois turnos) e pelo Senado. Mas vale entender o que está em discussão e o que mudaria em relação ao sistema atual.

‘Distritão’

Como funciona o sistema

  • Cada estado ou prefeitura vira um distrito eleitoral.
  • São eleitos os candidatos mais votados.
  • Não são levados em conta os votos para o partido ou a coligação.
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --

O que muda na prática

  • Torna-se uma eleição majoritária, como já acontece na escolha de presidente da República, governador, prefeito e senador.

Quais são os possíveis efeitos

  • O modelo acaba com os “puxadores de votos”, candidatos bem votados que garantem vagas para outros integrantes da coligação.
  • O foco das campanhas tende a passar para os candidatos, fazendo com que os programas dos partidos e das coligações percam espaço.
  • Com o favorecimento das campanhas individuais, candidatos com mais recursos podem ser beneficiados.
  • Pode acontecer de apenas os candidatos mais conhecidosconseguirem se eleger.
  • Com a eleição dos mais famosos, tende a ser mais difícil a renovaçãonas casas legislativas. Os parlamentares que concorrem à reeleição tendem a ser beneficiados pelo modelo.
  • Pode ser mais difícil o surgimento de novos nomes na política, porque, com a votação proporcional, coligações e partidos levam atualmente para as casas legislativas candidatos muito votados e outros com votações menos expressivas.

Proporcional com lista aberta – sistema atual

Como funciona o sistema

  • O eleitor vota no partido ou no candidato.
  • Os partidos podem se juntar em coligações.
  • É calculado o quociente eleitoral, que leva em conta os votos válidos no candidato e no partido.
  • Pelo cálculo do quociente, é definido o número de vagas que cada coligação e cada partido terá a direito.
  • São eleitos os mais votados das coligações.

Efeitos de tipo de votação

  • Existem os “puxadores de votos”, candidatos bem votados que garantem vagas para outros integrantes da coligação.
  • Exemplo de “puxador de voto”: em 2010, o humorista Tiririca (PR-SP)recebeu 1.353.820 de votos, o que beneficiou candidatos de sua coligação. O último eleito da coligação, Vanderlei Siraque (PT), e o penúltimo, Delegado Protógenes (PC do B), obtiveram cerca de 90 mil votos cada um. Ficaram de fora candidatos de outras coligações que tiveram muito mais votos.
  • O sistema permite que as coligações e partidos levem para as casas legislativas candidatos com votações expressivas e outros que não são tão conhecidos.
  • A renovação do Legislativo tende a ser maior, porque nem sempre os mais famosos ou os candidatos à reeleição conseguem vaga – se a coligação a que pertencem não tiver pontos suficientes, eles ficam de fora.
  • O foco de muitas campanhas fica nas propostas dos partidos, e não de candidatos individuais. Isso significa menos gastos.
COMPARTILHE