Início Zona Sul COBRANÇAS: Jacob e Gimenes querem audiência com presidente da CDHU

COBRANÇAS: Jacob e Gimenes querem audiência com presidente da CDHU

Vereador quer resolver problema de mutuários em relação ao aumento das parcelas do financiamento da casa própria

 

-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --
-- continua depois da publicidade --

 

O vereador Murilo Jacob esteve recentemente em São Paulo, onde em Audiência com o deputado Estadual Gilmar Gimenes (PP), definiu que em breve deverá ser agendada uma reunião com o presidente da CDHU – Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo, onde o assunto em pauta e o considerável aumento das parcelas do financiamento de mutuários do conjunto habitacional Jayme Leone.

Jacob informou que o deputado Gimenes se mostrou solicito a tentar junto ao vereador resolver o problema, que vem atingindo os mutuários que tiveram suas parcelas aumentadas consideravelmente.

“É preciso que se verifique oque está acontecendo com as cobranças. Afinal são mais de 300 famílias vivendo no referido bairro. Vamos até o cerne disso verificar se há alguma irregularidade, por isso vamos direto a fonte: a presidência do CDHU”, disse Gimenes

Em junho deste ano o vereador levantou o problema na Tribuna da Câmara, quando protocolou um requerimento pedindo esclarecimentos sobre os motivos da revisão dos contratos com os mutuários do Conjunto Habitacional Jayme Baptista Leone (Fernandópolis I) sobretudo as razões da majoração dos valores das prestações dos imóveis

Segundo o vereador pode existir uma clausula abusiva na revisão contratual, o que estaria tornando os valores cobrados atualmente abusivos em relação ao momento em que o contrato foi assinado.

Segundo o vereador discursou na Tribuna da Câmara os valores atuais estão fora da realidade de maioria dos mutuários do conjunto habitacional. “Precisamos ver o que está ocorrendo, pois tive reclamação de vários mutuários que me garantiram que os valores não foram corrigidos corretamente, pois o poder monetário atual não é o mesmo que de anos atrás, quando o contrato foi assinado”, destacou Jacob.

LEIA MAIS

Vereador descobre possivel clausula abusiva em contrato do CDHU em Fernandópolis

 

COMPARTILHE