Início Zona Sul A história da professora de Fernandópolis que não luta sozinha contra o...

A história da professora de Fernandópolis que não luta sozinha contra o câncer

Para a mulher, uma das piores consequências durante um tratamento contra o câncer é a perda do cabelo que mexe com a vaidade, com autoestima e acaba sendo um momento ainda mais doloroso. É exatamente por isso que o apoio da família e dos amigos é muito importante e fundamental.

Em Fernandópolis, uma professora vem recebendo dos colegas de trabalho e também dos alunos a solidariedade num momento tão difícil. A história da professora Selma Rodrigues da Escola Afonso Cafaro de Fernandópolis foi tema da mídia regional, que decidiu contar um pedacinho dessa história de amizade e bem viver.

TUDO MUDOU

-- continua depois da publicidade --

O jeito de se arrumar mudou pouco, mas a vontade de manter o astral lá em cima não. Desde que a Selma começou o tratamento contra um câncer de mama, o lenço se tornou acessório indispensável na produção

A professora vai usar o lenço por cerca de um ano, o tempo previsto do tratamento. Isso Selma já sabia. O que a professora não imaginava é que essa moda ia pegar. Um dia depois de raspar os cabelos e começar o tratamento, ela encontrou todos os seus colegas de trabalho exatamente como mostra reportagem.

AMOR DE MUITO

Uso do lenço foi a maneira que os professores encontraram dizer que estão juntos com ela na batalha contra o câncer. Todo mundo queria que a colega soubesse como todos estão juntos nessa batalha e o uso do lenço foi a maneira encontrada para pela turma da escola para ampara-la.

Foi muito bom. Eu me senti igual. Todos comigo, o tempo todo me apoiando. Eu sei que vai ser difícil em alguns momentos, mas eles estarão comigo. Meus amigos e meu alunos”, disse.

A professora está mais segura para continuar o trabalho em sala de aula. Ela sabe que vai ter que superar alguns desafios para se ver livrar do Câncer. Ainda restam algumas sessões de quimioterapia, mas com todo esse carinho a professora de Fernandópolis conseguirá prosseguir com muito mais força e esperança para encarar o que ainda tem pela frente

“ É muito importante a saúde mental para mim. Pode não haver saúde física em algum momento. Mas mesmo quando vierem períodos esses períodos mais difíceis, eu sei que eu darei conta”

Fonte:

 

COMPARTILHE